Buscar
  • Radio Com 98.5

URI – SANTO ÂNGELO APROVA SUA 4ª EDIÇÃO DO PROJETO PET JUNTO AO MINISTÉRIO DA SAÚDE

A Universidade Regional Integrada - Campus de Santo Ângelo, pela quarta vez consecutiva teve projeto aprovado no Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde), do Ministério da Saúde.

Um total de 142 projetos foram contemplados no país, e a URI destacou-se ao ser classificada, tendo superado universidades tradicionais do Estado.

O lançamento do PET-Saúde ocorreu na noite de quinta-feira junto ao auditório do prédio 13, com a presença do diretor acadêmico Marcelo Stracke, do secretário municipal da saúde Flavio Chrinstensen, do titular da 12ª Coordenadoria Regional de Saúde Rodrigo Reis, dos coordenadores dos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Educação Física, Medicina Veterinária, Farmácia, Psicologia e dos acadêmicos dessas áreas.

Conforme o professor Dr. Tiago Bittencourt, coordenador dos cursos de Farmácia e Biomedicina, a iniciativa é voltada para o fortalecimento de atividades que envolvem o ensino, a pesquisa, a extensão universitária, buscando a inserção do aluno no serviço público de saúde e a sua participação social.

O Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde, PET-Saúde: Gestão e Assistência, é coordenado pela Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), do Ministério da Saúde e terá duração de 12 meses, de agosto de 2022 até julho 2023.

Em Santo Ângelo e nos demais 24 municípios que compõem a 12ª CRS, a URI irá desenvolver 5 grupos tutoriais, cada um, composto por 2 professores, 2 profissionais e 8 acadêmicos. Serão custeadas bolsas para os alunos divididos pelos cursos de biomedicina, enfermagem, educação física, farmácia, medicina veterinária e psicologia.

Os grupos atuarão nos seguintes temas - gestão das práticas de educação em saúde na pandemia, avaliação e monitoramento dos indicadores de saúde do SUS na região das missões, gestão e promoção da saúde do trabalhador do SUS pela educação continuada, ações de prevenção em saúde aos usuários acometidos pela COVID-19 e outros agravos e a busca ativa e ações de promoção e prevenção da saúde aos portadores de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT).

Os acadêmicos serão orientados pelos professores, também chamados de tutores, e terão a supervisão local dos profissionais do serviço, denominados de preceptores, profissionais estes enfermeiros, farmacêuticos, educadores físicos, médicos e psicólogos da Secretaria Municipal de Saúde e Coordenadoria de Saúde.

Neste ano, o edital do PET trouxe como um dos seus principais objetivos as ações de gestão e de assistência, em todos os níveis de atenção à saúde, contemplando a integração entre eles para qualificação dos profissionais e obtenção de respostas mais efetivas.

Segundo o professor Tiago Bittencourt, o foco das ações vai ocorrer em iniciativas que possam promover estratégias de formação em saúde e que sejam capazes de desenvolver práticas profissionais para atuação no trabalho em equipe, com ênfase em ações de educação em saúde direcionadas para os atuais contextos e para as necessidades do SUS.


Fonte : Paulo Renato Ziembowicz
























1 visualização0 comentário